Em tempos de coronavírus, médicos da região apostam na Telemedicina

Foto: Divulgação

Um computador, tablet ou até mesmo um smarthphone podem garantir que, sem sair de casa, um paciente realize uma consulta médica. O uso da telemedicina foi reconhecido como uma opção pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), conforme anunciado pela entidade no dia 19. De acordo com o conselho, a “decisão vale em caráter excepcional e enquanto durar o combate à epidemia de Covid-19”.

 

Em São José dos Campos, no Vale do Paraíba, os médicos já começaram a adotar a prática. O cardiologista Bruno Nogueira , que atua na cidade há 14 anos, já está aplicando o modelo para pacientes que não podem se deslocar ao serviço de saúde e que precisam manter seu acompanhamento médico , para controlar os fatores de risco e assim proteger, prevenir e continuar o tratamento.

 

“A Telemedicina, nesse contexto de pandemia, oferece a possibilidade de transpor barreiras físicas e chegar a quem precisa de maneira segura e efetiva. No momento que vivemos, essa nova modalidade de exercer a medicina tem nos garantido a possibilidade de estar cada vez mais próximos de nossos pacientes”, afirmou o médico.

 

“A condição de saúde dos pacientes exige cuidado e atenção. Justamente para manter o compromisso ético, os trabalhos sob forma de atendimento à distância surgem para auxiliar no monitoramento dos casos que exigem vigilância. Ainda assim, a Telemedicina não pode seguir a margem do coronavírus. Portanto, é importante estar amparado juridicamente para praticar a Telemedicina”, afirmou a consultora jurídica especialista em saúde pública, Sandra Franco.

 

 

Telemedicina

 

A telemedicina é o atendimentos de saúde a distância, usando tecnologias de informação e de comunicação. Os médicos também podem fazer “teleinterconsulta”, que permite troca de opiniões entre eles sobre casos e diagnósticos dos pacientes.

 

O atendimento terá que ser registrado em prontuário clínico preenchido a cada consulta com o paciente, contendo data, hora, tecnologia e tipo de comunicação usada no atendimento e o número do Conselho Regional Profissional do médico.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*