Arcos da Lapa faz homenagem ao movimento LGBTQIAP+

Arcos da Lapa com a iluminação a laser em homenagem ao movimento LGBTQIAP+

Iluminação em comemoração ao Dia do Orgulho fica até o dia 30 de junho

Os Arcos da Lapa, um dos cartões postais mais populares do Rio de Janeiro, situado no coração do Centro da cidade, recebeu na última sexta-feira, 24, uma iluminação especial a laser com as setes cores do arco-íris, para homenagear o Dia do Orgulho LGBTQIAP+.

O mês de junho é marcado pelas comemorações da luta contra a homofobia. As cores do arco-íris serviram de cenário para colorir os arcos em forma de homenagem ao dia 28 de junho. A data passou a ser festejada a partir de um dos episódios mais emblemáticos na luta da comunidade gay pelos seus direitos.

A escolha do mês de junho no calendário da cidade do Rio para as comemorações não é aleatória: o mês faz referência à revolta conhecida de Stonewall, ocorrida na cidade de Nova York, nos Estados Unidos, no dia 28 de junho de 1969, quando um grande número expressivo de gays resolveu enfrentar a constante violência policial sofrida pelos homossexuais. Stonewall era o nome de um bar frequentado pela comunidade gay, no bairro de Greenwich Village.

Uma das bandeiras mais conhecidas no planeta, a bandeira arco-íris, que representa a luta contra homofobia e a diversidade, foi criada pelo designer norte-americano Gilbert Baker (1951-2017), a pedido do ativista, gay e político Harvey Milk (1930-1978), e foi usada pela primeira vez publicamente em São Francisco, nos Estados Unidos, durante a Parada do Orgulho Gay de 1978. E de lá pra cá ganhou o mundo.

Quando Baker criou a bandeira, atribuiu para cada cor um significado positivo, que segundo ele as cores seriam representadas de seguinte maneira: o vermelho representa a vida; o laranja a cura; o amarelo a luz do sol; o verde a natureza; o azul a seriedade e harmonia, e o roxo o espírito humano. Apesar de a história ser muito bonita, como tantas outras, ela não teve um final feliz. No final da Parada do Orgulho Gay de 1978, Harvey Milk, primeiro vereador assumidamente gay dos EUA, foi assassinado brutalmente, deixando um legado extremamente relevante para o movimento gay.

O monumento no Centro do Rio vai ficar iluminado com cores da bandeira arco-íris, que representa o movimento LGBTQIAP+, até o último dia do mês, 30, quando terminam as diversas honrarias prestadas ao movimento. A iniciativa das comemorações foi promovida pela Riotur e faz parte de um roteiro de homenagens ao mês, que se estende também a Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, que foi iluminada com as sete cores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.